Del Haitianismo a la nueva Ley de Migración: Derecho, Raza y Política Migratoria brasileña en perspectiva histórica From Haitianism to the new Migration Law: Right, Race and Brazilian Migration Policy in a historical perspective

Contenido principal del artículo

Karine de Souza Silva
Miguel Borba de Sá

Resumen

El objetivo de este articulo es discutir los orígenes, los ramos y las permanencias de la practica de racialización de cuerpos negros, por medio de las políticas de migración brasileñas, desde fines del siglo XIX hasta los días actuales. Para esto, serán utilizadas los abordajes epistemológicos post y decoloniales, en especial el pensamiento o afro-diaspórico. Esta investigación propone la inclusión de la "raza" como categoría de análisis indispensable para el estudio de las migraciones en Brasil. A partir de un abordaje inédito, será examinado como el "Haitianismo" dejó un legado que sirvió de sustrato para la formulación de las legislaciones explícitamente racializadas sobre inmigración. El primer asunto traerá el tema de nacionalidad y ciudadanía en Brasil a partir de su independencia, en los momentos iniciales de su constitución del Estado imperial post colonial. El segundo tópico trata de las relaciones entre raza y las normativas migratorias del siglo XX. Por último, esta la sección en que será apreciada la actual "Lei de Migração" a partir de las concepciones de racismo estructural y colonialidad del poder.

Detalles del artículo

Cómo citar
Silva, K. de S. ., & Sá, M. B. de. (2021). Del Haitianismo a la nueva Ley de Migración: Derecho, Raza y Política Migratoria brasileña en perspectiva histórica: From Haitianism to the new Migration Law: Right, Race and Brazilian Migration Policy in a historical perspective. Revista nuestrAmérica, 9(17), e5650701. https://doi.org/10.5281/zenodo.5650701
Sección
Dossier
Biografía del autor/a

Karine de Souza Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora dos Programas de Pós-Graduação em Relações Internacionais e em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil. Titular da Cátedra Sérgio Vieira de Mello (ACNUR) e da Cátedra Jean Monnet (União Europeia) Brasil 

Miguel Borba de Sá, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor e mestre em Relações Internacionais; mestre em Ideologia e Análise de Discurso; graduado e licenciado em História. É professor substituto do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina e membro do Laboratório Interdisciplinar de Estudos em Relações Internacionais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil

Citas

Almeida, Silvio. 2019. Racismo Estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro.

Andrada e Silva, José Bonifácio. 2011 [1825]. “Representação à assembleia constituinte e legislativa do Império do Brasil sobre a escravatura”. Em José Bonifácio: em defesa da soberania nacional, organizado por Gervasio Rodrigo Neves e Liana Bach Martins, 161-82. Brasília: Fundação Ulysses Guimarães.

Azevedo, Célia Maria Marinho de. 1987. Onda negra, medo branco: O negro no imaginário das elites século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Azevedo, Célia. 2004. Onda Negra, Medo Branco: o Negro no Imaginário das Elites – Século XX. São Paulo: Annablume.

Berbel, Márcia e Rafael Marquese. 2007. “The Absence of Race: Slavery, Citzenship, and Pro-Slavery Ideology in the Cortes of Lisbon and the Rio de Janeiro Constituent Assembly (1821-4)”. Social History 32, n.o 4.

Brasil. Anais do Parlamento Brasileiro, sessões de 23/06/1848 e 27/06/1848.

Brasil. “Manifesto de 6 de Agosto de 1822”. Coleção Leis do Império, vol. 1, 132.

Brasil. Constituição (1934) Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. Rio de Janeiro, 1934. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao34.htm. Acesso em 08 de abril 2019.

Brasil. Decreto n.24.215, de 9 de maio de 1934. Dispõe sobre a entrada de estrangeiros em territorio nacional Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, Brasil, 09 maio 2001. Seção 1, 9451sw. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-24215-9-maio-1934-557900-publicacaooriginal-78647-pe.html. Acesso em 08 de abril de 2019.

Brasil. Decreto-Lei nº 406, de 4 de maio de 1938. Dispõe sôbre a entrada de estrangeiros no território nacional. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, Brasil, 04 de Maio 1938 Seção 1, 8494a Disponível em https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-406-4-maio-1938-348724-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em 08 de abril 2019.

Brasil. Senado Federal. Lei 13.445, de 24 de maio de 2017. Brasília, 2017. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2017/lei-13445-24-maio-2017-784925-publicacaooriginal-152812-pl.html. Acesso em: 08 out 2019.

Brito, Luciana da Cruz. 2009. “A legalidade como estratégia: africanos que questionaram a repressão das leis baianas na primeira metade do século XIX”. História Social 16, n.o 1: 1-28.

Câmara dos deputados. Decisões 1835. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/doimperio/colecao3.html. Acesso em 22 outubro 2019.

Carneiro, Cynthia Soares. 2018. “Políticas Migratórias no Brasil e a Instituição dos “Indesejados”: A Construção Histórica de um Estado de Exceção para Estrangeiros”. Revista Opinião Jurídica 16, n.o 22: 56-85. http://dx.doi.org/10.12662/2447-6641oj.v16i22.p56-85.2018

Carvalho, José Murilo de Carvalho. 2014. A construção da ordem: a elite política imperial/Teatro de Sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Castro-Gómez, Santiago. 2005. “Ciências sociais, violência epistêmica e a ‘invenção do outro’”. Em A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas, organizado por Edgardo Lander. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.

Dubois, Laurent. 2004. Avengers of the new world: the story of the Haitian Revolution. Cambridge: Harvard University Press.

Fanon, Frantz. 1980. Em defesa da revolução africana. Lisboa: Sá da Costa Editora.

Fanon, Frantz. 2008. Peles negras, máscaras brancas. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia.

Fernandes, Nathalia Costa dos Santos. 2019. Taxas a serem pagas. Polícia Federal. Brasil. Disponível em: http://www.pf.gov.br/servicos-pf/imigracao/registro-de-autorizacao-de-residencia-1/solicitacao-de-autorizacao-de-residencia-3/taxas-a-serem-pagas. Acesso em: 03 outubro 2019.

Flory, Thomas. 1977. “Race and social control in independent Brazil”. Journal of Latin American Studies 9, n.o 2: 199 – 224. https://doi.org/10.1017/S0022216X00020587

Frazão, Samira Moratti. 2017. “Política migratória brasileira e a construção de um perfil de migrante desejado: lugar de memória e impasses”. Antíteses 10, n.o 20: 1103-28. http://dx.doi.org/10.5433/1984-3356.2017v10n20p1103

Freyre, Gilberto. 2004 [1936]. Nordeste: aspectos da influência da cana sobre a vida e a paisagem do Nordeste do Brasil. São Paulo: Global.

Gomes, Flávio e Requinaldo Ferreira. 2008. “A miragem da miscigenação”. Novos Estudos CEBRAP, n.o 80. https://doi.org/10.1590/S0101-33002008000100010 http://novosestudos.com.br/produto/edicao-80/

Henriques, Joana. 2017. Racismo em Português: o lado esquecido do colonialismo. Rio de Janeiro: Tinta da China Ed.

James, Cyril Lionel Robert. 1989. The Black Jacobins: Toussant L’ouverture and the San Domingo Revolution. New York: Vintage Books.

Kilomba, Grada. 2019. Memórias da Plantação: episódios do racismo cotidiano, tradução de Jess Oliveira. Rio De janeiro: Cobogó.

Koifman, Fábio. 2012. Imigrante ideal: O Ministério da Justiça e a entrada de estrangeiros no Brasil (1941-1945). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Moraes, Ana Luisa Zago de. 2014. “A formação da política imigratória brasileira: da colonização ao Estado Novo”. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul especial, n. o 32: 143-163. https://seer.ufrgs.br/revfacdir/article/view/70460/40003

Morel, Marco. 2017. A Revolução do Haiti e o Brasil escravista: o que não deve ser dito. Jundiaí, São Paulo: Paco Editorial.

Mott, Luiz. 1988. “A Revolução dos Negros do Haiti e o Brasil”. Em Escravidão, Homossexualidade e Demonologia. São Paulo: Ícone.

Nascimento, Abdias do. 1978. O Genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Nogueira, Oracy. 2007. “Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil”. Tempo Social 19, n.o 1: 287-308. https://doi.org/10.1590/S0103-20702007000100015

Pereira, Amílcar Araújo. 2010. «“O Mundo Negro": a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil (1970-1995)». Tese de Doutorado. Universidade Federal Fluminense. http://www.historia.uff.br/stricto/td/1254.pdf

Pinto, João Alberto da Costa. 2009. “Gilberto Freyre e o luso-tropicalismo como ideologia do colonialismo português (1951-1974)”. Revista UFG XI, n.o 6: 145-160. https://www.revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48238

Queiroz, Marcos Vinícius Lustosa. 2017. «Constitucionalismo brasileiro e o Atlântico Negro: a experiência constitucional de 1823 diante da Revolução Haitiana». Dissertação Mestrado em Direito. Universidade de Brasília. https://repositorio.unb.br/handle/10482/23559

Quijano, Aníbal. 1999. “!Que tal raza!”. Revista Ecuador Debate, n. o 48: 141-152. https://repositorio.flacsoandes.edu.ec/handle/10469/5724

Ribeiro, Djamila. 2017. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento.

Roorda, João Guilherme Leal. 2017. “Criminalização da vadiagem na Primeira República: o sistema penal como meio de controle da população negra (1900-1910)”. Revista Brasileira de Ciências Criminais, n.o 135: 269-306. https://www.ibccrim.org.br/publicacoes/edicoes/701/7837

Santos, Boaventura de Souza. 2003. “Entre Próspero e Caliban: Colonialismo, Pós-Colonialismo e Interidentidade”. Novos Estudos CEBRAP, n.o 66: 23-52. http://novosestudos.com.br/produto/edicao-66/ https://estudogeral.uc.pt/bitstream/10316/81691/1/Entre%20Prospero%20e%20Caliban_colonialismo%2C%20pos-colonialismo%20e%20inter-identidade.pdf

Schwarcz, Lillia e Heloísa Sterling. 2015. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras.

Silva, Karine de Souza, Henrique Martins da Silveira e Juliana Muller. 2018. “Santa Catarina no roteiro das Diásporas: os novos imigrantes africanos em Florianópolis”. Revista Katalysis 21, n.o 2: 281-292, https://doi.org/10.1590/1982-02592018v21n2p281

Soares, Carlos e Flávio Gomes. 2002. “Sedições, Haitianismo e Conexões no Brasil Escravista: outras margens do Atlântico Negro”. Novos Estudos CEBRAP, 63. http://novosestudos.com.br/produto/edicao-63/

UN. Past Trends towards Increasing ‘Criminalization’ of Irregular Migration Continue; Migrants Face Racism, Abuse, Appalling Housing Conditions, Third Committee Told. GA/SHC/3986. 2010. http://www.un.org/press/en/2010/gashc3986.doc.htm. Acesso em: 02 fev 2016.