Intersecciones entre nacionalidad y raza: consideraciones sobre el trato de inmigrantes en Brasil Intersections between nationality and race: considerations on the treatment of immigrants in Brazil

Contenido principal del artículo

Jaqueline Bertoldo

Resumen

Dada la realidad de las personas que experimentan la movilidad humana internacional, cuestionamos cómo las categorías de raza y nacionalidad están estructurando el actual tratamiento político y legal de los inmigrantes en Brasil. Para ello, utilizamos referencias teóricas críticas sobre el Estado-Nación, el racismo, la colonialidad, los derechos humanos y la inmigración, permitiendo un análisis del orden político y legal de la migración en el país. Se trata de una investigación bibliográfica y documental, con atención a los puntos principales de la Ley de Migración brasileña y que reflejan nuestro problema de estudio. A partir de una mirada al sujeto migrante y sus vivencias, nos damos cuenta de cómo la dimensión racial y la distinción entre nacionales y no nacionales son constitutivos del modelo colonial de dominación y aún hoy reflexionan sobre el trato destinado a la población migrante por parte del Estado Brasileño. Tales relaciones raciales y xenófobas operan en diversas formas de expresión, como la securitización de los flujos migratorios, políticas públicas insuficientes y la constante negación de los derechos humanos que caracterizan la respuesta del Estado a la presencia migrante y “extranjera”, especialmente negra, africana y latina.

Detalles del artículo

Cómo citar
Bertoldo, . J. (2021). Intersecciones entre nacionalidad y raza: consideraciones sobre el trato de inmigrantes en Brasil: Intersections between nationality and race: considerations on the treatment of immigrants in Brazil. Revista nuestrAmérica, 9(17), e018. Recuperado a partir de http://nuestramerica.cl/ojs/index.php/nuestramerica/article/view/e018
Sección
Dossier
Biografía del autor/a

Jaqueline Bertoldo, Universidade Federal do Paraná

Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda em Direito

Universidade Federal do Paraná

 

Citas

Almeida, Sílvio. 2018. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento.

Arendt, Hannah. 2012. Origens do Totalitarismo: Antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras.

Bertoldo, Jaqueline. 2017. “Migração com rosto feminino: múltiplas vulnerabilidades, trabalho doméstico e desafios de políticas e direitos”. Monografia (Graduação em Direito). Universidade Federal de Santa Maria. Acesso em 24 de maio de 2021. https://repositorio.ufsm.br/handle/1/11490

Brasil. 1946. Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 18 de setembro de 1946. Acesso em 24 de maio de 2021. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/consti/1940-1949/constituicao-1946-18-julho-1946-365199-publicacaooriginal-1-pl.html

Brasil. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Acesso em 23 de maio de 2021. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. 1938. Decreto nº 3.010, de 20 de agosto de 1938. Regulamenta o decreto-lei n.406, de 4 de maio de 1938, que dispõe sobre a entrada de estrangeiros no território nacional. Acesso em 24 de maio de 2021. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/D3010.htm

Brasil. 1945. Decreto nº 7967, de 18 de setembro de 1945. Dispõe sobre a Imigração e Colonização, e dá outras providências. Acesso em 24 de maio de 2021. https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-7967-18-setembro-1945-416614-norma-pe.html

Brasil. 2017a. Lei 13.445, de 24 de maio de 2017. Institui a Lei de Migração. Acesso em 24 de maio de 2021. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13445.htm

Brasil. 2017b. Decreto Nº 9199, de 20 de novembro de 2017. Regulamenta a Lei nº 13.445, de 24 de maio de 2017, que institui a Lei de Migração. Acesso em 24 de maio de 2021. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Decreto/D9199.htm

Brasil. 2017c. Mensagem nº 163, de 24 de maio de 2017. Mensagem de veto ao Projeto de Lei que institui a Lei de Migração. Acesso em 24 de maio de 2021. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Msg/VEP-163.htm

Castel, Robert. 2008. A discriminação negativa: cidadãos ou autóctones. Rio de Janeiro: Vozes.

Césaro, Filipe Seefeldt; Gularte, Glauciele. 2015. “A securitização do tema imigratório no Brasil”. Em Imigrantes no Brasil: Proteção dos Direitos Humanos e Perspectivas Político-Jurídicas organizado por Giuliana Redin e Luís Augusto Bittencourt Minchola. Curitiba: Juruá.

Claro, Carolina de Abreu Batista. 2015. “As migrações internacionais no Brasil sob uma perspectiva jurídica: análise da legislação brasileira sobre estrangeiros entre os séculos XIX e XXI”. Cadernos do Observatório das Migrações Internacionais, 1(1): 119-210.

Costas, Douzinas. 2003. O FIM dos Direitos Humanos. São Leopoldo: Unisinos.

Derrida, Jacques. 2003. Anne Dufourmantelle convida Jacques Derrida a falar da hospitalidade. São Paulo: Escuta.

Domenech, Eduardo. 2015. “O controle da imigração “indesejável”: expulsão e expulsabilidade na América do Sul”. Ciência e Cultura, 2(67), São Paulo.

Dussel, Enrique. 1994. El encubrimiento del otro: hacia el origen del mito de la modernidad. La Paz: Pluma editores.

Minchola, Luis Augusto Bittencourt. 2018. “Veias abertas” da cidadania: nacionalidade, imigração e igualdade formal no Brasil contemporâneo. Porto Alegre: Editora Fi.

Mignolo, Walter. 2017. “Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 32(94), 1-18.

Pires, Thula. 2018. “Racializando o debate sobre direitos humanos”. Revista SUR, 15(28), 65-75. Acesso em 24 de maio de 2021.https://sur.conectas.org/wp-content/uploads/2019/05/sur-28-portugues-thula-pires.pdf

Quijano, Aníbal. 2005. “Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina”. Em A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, organizado por Edgardo Lander. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Buenos Aires.

Redin, Giuliana. 2013. Direito de Imigrar: Direitos Humanos e Espaço Público. Florianópolis: Conceito Editorial.

Redin, Giuliana. 2016. “Direito humano de imigrar e os desafios para a construção de uma política nacional para imigrantes e refugiados”. Em Direitos emergentes na sociedade global, organizado por Giuliana Redin, Jânia Maria Lopes Saldanha e Maria Beatriz Oliveira da Silva. Santa Maria: Editora da UFSM.

Redin, Giuliana. 2015. “Novo Marco Legal para a Política Imigratória no Brasil: Por um Direito Humano de Imigrar”. Em Imigrantes no Brasil: Proteção dos Direitos Humanos e Perspectivas Político Jurídicas, organizado por Giuliana Redin e Luís Augusto Bittencourt Minchola. Curitiba: Juruá.

Redin, Giuliana. 2018. “Prefácio da obra Veias abertas da cidadania: nacionalidade, imigração e igualdade formal no Brasil contemporâneo”, de Luís Augusto Bittencourt Minchola. Porto Alegre: Editora Fi.

Redin, Giuliana; Bertoldo, Jaqueline. 2020. “Novo marco legal das migrações no Brasil: entre a proteção, a discricionariedade e a exclusão”. Em Migrações Internacionais: Desafios para a Proteção e Promoção de Direitos Humanos no Brasil, organizado por Giuliana Redin. Santa Maria: Editora UFSM.

Redin, Giuliana; Minchola, Luís Augusto Bittencourt. 2015. Nota Técnica do Migraidh ao PL 2516/2015. Acesso em 24 de maio de 2021. http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-temporarias/especiais/55a-legislatura/pl-2516-15-institui-a-lei-de-migracao/documentos/outros-documentos/nota-tecnica-migraidh

Redin, Giuliana; Monaiar, Alex Barcelos. 2018. “Os Desafios da Integração Local na Perspectiva das Soluções Duradouras para a Proteção Integral de Refugiados e Migrantes em Situação de Vulnerabilidade: a experiência de Santa Maria”. Em Migrantes forçados: conceitos e contextos, organizado por Liliana Lyra Jubilut, Fernanda de Magalhães Dias Frinhani e Rachel de Oliveira Lopes. Boa Vista: Editora da UFRR.

Sayad, Abdelmalek. 1998. Imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: Edusp.

Seyferth, Giralda. 2002. “Colonização, imigração e a questão racial no Brasil”. Revista USP, (53),117-149. São Paulo.